Monitor touchscreen moderniza máquinas de comida

O usuário escolhe seu lanche ou salgado através do monitor touchscreen

O monitor touchscreen acaba de chegar a uma das maiores tentações dos ambientes externos: as máquinas de doces e salgados. Muito popular nos Estados Unidos, este tipo de equipamento surgiu na década de 1950, de forma totalmente mecânica, como uma forma barata de oferecer produtos em horários alternativos.

monitor touch

“Todo mundo sente aquela fome fora de hora, e quase sempre em momentos em que não há nenhuma opção de lugar para comprar, ou o horário é meio maluco, como no meio da madrugada. Nesta hora, uma máquina de comida pode ser a salvação. E hoje, elas estão cada vez mais diversificadas, com opções cada vez melhores. As próprias máquinas estão mais modernas. Algumas já aceitam pagamento com cartão e usam um monitor touchscreen para escolhermos o pedido”, diz o especialista em sistema da informação Murilo O. de Melo, que frequentemente trabalha até tarde no escritório e recorre aos lanchinhos rápidos.

O monitor touchscreen é a saída de imagem do computador que controla a máquina, seu estoque, preço, número de vendas e pedidos. É útil para quem compra, que tem acesso a informações, como os ingredientes e modo de preparo, sugestões de combinações e promoções, tudo em uma tela de alta definição sensível ao toque.

Para a empresa dona da máquina, ter um computador com monitor touchscreen instalado no equipamento permite um melhor gerenciamento, conexão com a internet para informar estoque, validade dos produtos, quais deles mais vendem, e transações com cartões. É uma forma de melhorar a administração das máquinas e do negócio como um todo, já que há um volume de dados muito maior disponível.

Ainda há a possibilidade de vender espaço publicitário, já que o monitor touchscreen tem alta definição de imagem e uma sequência de telas durante a compra. Basta inserir uma tela a mais com um vídeo um folder de um produto. Mas tudo de forma sutil para não incomodar os clientes.

Além do monitor touchscreen, as máquinas também evoluíram nos pratos servidos. Chocolates, pacotes de salgadinhos, balas e refrigerantes ainda fazem parte do cardápio, mas outras opções mais saborosas ou saudáveis também ganharam espaço.

“Hoje há hambúrgueres e outros sanduiches à venda, macarrão instantâneo, frutas, saladas, pizzas e até comida kosher, e muito mais. Além de comida, temos também máquinas que vendem livros, Ipods e até sapatilhas. Como basta disponibilizar o equipamento em um lugar de grande movimento, os custos são baixos e as empresas tentam de tudo. O Japão, em especial, ama este tipo de coisa. Provavelmente, por ser um país em que a vida seja muito corrida, este tipo de venda faça tanto sucesso. Mas aqui no Brasil, cada vez mais empresas investem nesse tipo de solução para atingir mais clientes. E investimentos em tecnologia são fundamentais. Hoje, conexão com a internet e um monitor touchscreen são cada vez mais comuns neste ramo”, explica o professor de marketing da ESPM Renê Abrileri.