Impressora não fiscal produz ingressos das Olimpíadas do Rio 2016

O uso da impressora não fiscal permite aos fãs retirarem os ingressos em vários pontos diferentes

A impressora não fiscal será um item fundamental dentro da logística de distribuição de ingressos para os Jogos Olímpicos de verão 2016, a serem disputados na cidade do Rio de Janeiro. Em mais de cem anos de existência, esta é a primeira vez que a celebração máxima do esporte acontece na América do Sul. A escolha da cidade carioca foi feita em uma sessão do Comitê Olímpico Internacional, ou COI, em 2009, em Copenhague, na Dinamarca, e a cena de comemoração da delegação brasileira entrou para a história. De lá para cá, passaram-se seis anos, e os desafios são outros. E a impressora não fiscal será uma das formas de lidar com um deles.

impressora não fiscal

impressora não fiscal

“A cidade tem se preparado para receber este evento mundial, em termos de infraestrutura de mobilidade e nas instalações esportivas. Inclusive, já foram divulgadas as datas de venda de ingressos, que terão postos de venda e retirada espalhados pela cidade, todos munidos de impressora não fiscal e acesso direto ao sistema”, diz o voluntário, Emerson J. de Vieira. O carioca professor de educação física se diz empolgado por participar dos jogos, mesmo que apenas na arquibancada.

“Também trabalhei na Copa do Mundo em 2014, e vejo como algo espetacular ser parte do algo tão único e especial. Sempre joguei vôlei, não tive a chance de seguir a carreira profissional, mas espero ver a nossa seleção levar a medalha de ouro no Maracanãzinho”, ele completa.

Os ingressos são um capítulo à parte. Com uma impressora não fiscal e um terminal para ter acesso ao sistema de vendas nos postos de retirada, os expectadores poderão adquirir as entradas de duas formas. Em novembro de 2014, nós tivemos uma fase preliminar com a abertura do cadastro online dos interessados em conseguir os tickets. Nos meses de junho e julho deste ano, haverá um sorteio entre os inscritos para definir quem terá direito, de forma semelhante ao que aconteceu durante a Copa.

Em outubro deste ano, um novo lote de ingressos será disponibilizado, desta vez sem sorteio, para a compra nas bilheterias. Tanto os ingressos comprados pela internet, como aqueles adquiridos pessoalmente serão criados no próprio ponto de retirada usando uma impressora não fiscal. É uma forma de melhorar a logística e aproveitar da melhor forma os recursos, evitando que aqueles que esperaram na fila não fiquem sem ingressos. A ideia parte da empresa vencedora da licitação para prestar o serviço, a alemã CTS Eventim. A empresa já atuou na Copa do Mundo de 2006, na Alemanha, e nos Jogos Olímpicos de Invernos em Turim, Itália em 2006, e em Sochi, Rússia, em 2014.

Com a impressora não fiscal é possível personalizar, com o evento esportivo e a data, um ingresso padronizado criado em gráfica, e com todas as medidas de segurança para evitar falsificações. Além dos dados daquela competição, também são criados, através do próprio sistema, códigos de barras que vão dar ainda mais credibilidade ao processo. Essa sequência numérica é como se fosse uma assinatura que garante a validade daquela entrada e a emoção do torcedor que vai poder acompanhar de perto os maiores atletas do mundo em solo brasileiro.